quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Um espólio disponível

Hoje é um dia triste para mim e tenho certeza para muitas pessoas no Brasil e no mundo. Eu que sempre me ressenti pelo fato dos maiores ícones mundiais do Cristianismo não serem necessariamente evangélicos (muito menos pentecostais), sou testemunha ocular da história, da vida e da morte de um verdadeiro cristão que deixa um grande espólio disponível.

Sou parte de uma família e igreja que sempre deixou legados a suas gerações. Uma família de homens de mulheres que sempre tiveram no reino de Deus a sua prioridade. Cresci e me formei debaixo de princípios cristãos verdadeiros. Embora relutante em algumas fases da vida, nunca duvidei dos ensinamentos das minhas antigas gerações de pais e mestres. Vi, ouvi e senti na pele o efeito nocivo da má interpretação e aplicação do que seria este dito "reino de Deus na terra". Ainda me chateia me ver confundido e colocado no mesmo balaio de homens maus, da banda podre das igrejas no Brasil. Isso mesmo que eu disse, "banda podre das igrejas". Se você não gostou da palavra acredite que ela é muito menos chocante do que as usadas pelo próprio Jesus para conceituar este tipo de gente - maiores dúvidas consultar Mateus 23. Me sinto mais ou menos como o bom policial que deixa sua casa, mulher e filhos e depois de um tiroteio com marginais ouve no ônibus de volta para casa que a polícia brasileira é corrupta e não presta. Ahhh... o velho pecado da generalização, como isso machuca.

Generalizações a parte, profissionalmente aprendi que o melhor líder é aquele que lidera pelo exemplo. Vi muito pouco disto nas organizações empresariais e tenho poucos referenciais dignos de nota. E por mais incrível que possa parecer, as igrejas não são diferentes, afinal de contas, o ser humano padece das mesmas tentações em qualquer instituição. Dinheiro, poder e fama ainda são as armas preferidas de nosso inimigo.

Mas por outro lado, em qualquer um destes ambientes, exemplos dignos de honra continuam permeando nossa existência. Ainda existem homens (e se Deus quiser ainda continuarão a existir) que servem de modelo e exemplo para todas as gerações. E eles, por força natural do seu caráter, criam, desenvolvem, progridem, enriquecem, crescem e empreendem. Ao redor deles transitam várias pessoas, algumas delas interessadas em quem eles são e outras no que eles podem render. Sempre foi assim e assim vai continuar sendo, mais ou menos como foi com Jesus, da multidão ao redor apenas poucos estavam lá por quem Ele era.

Do homem da foto, Pastor José Pimentel de Carvalho, que faleceu hoje, aprendi várias lições mesmo nunca tendo estado tão perto a ponto de tocá-lo. Hoje o meu ressentimento dito no início diminui bastante, ou seja, verdadeiros exemplos de cristianismo podem surgir em nosso meio, isso mesmo, no meio da igreja, por mais paradoxo que possa parecer. Aprendi a não me incomodar tanto com as generalizações, uma vez que os verdadeiros cristãos preferem trabalhar no silêncio e longe das multidões, seu crachá é sua vida. Ratifiquei mais uma vez a tese que liderança se faz pelo exemplo e que o mentorado das novas gerações é feito, mesmo a distância, pelo legado que deixamos quando nossos dias terminam. E aprendi, principalmente, que grandes homens deixam espólios.

Para as pessoas que estavam ao seu redor pelo que ele poderia render o espólio será finito. Mas dou graças a Deus porque para mim e para outros tantos o espólio espiritual deste homem de Deus é infinito e disponível a todos quantos desejarem dele tomar.

Muito obrigado Pastor. Espero vê-lo de novo.

Minhas sinceras condolências a toda família Pimentel de Carvalho.



2 comentários:

juarez disse...

O que dizer em um momento de tanta tristeza e comoção? somente orar para que Deus se compadeça da família e da igreja que o amava tanto.
Chorei ao saber, mas me alegrei ao relembrar o legado deixado.
Que Deus direcione todas as coisas, pois tudo é para sua glória...

Josélia disse...

e seja feita a vontade de DEUS!!
O pastor Pimentel foi um exemplo....